Thursday, April 27, 2006

25 de Abril (atrasado)

Raio de blog de esquerda que não dá três vivas ao 25 de Abril. Não há um cravo nem nada. Em hora tardia nos redimimos. Pedimos desculpa. Estivemos na rua a comemorar (desculpa verdadeira que não justifica a total ausência).

Falamos e festejamos o 25 de Abril. o Dia da Liberdade, não num acto de saudosismo, mas conscientes da importância que teve, e ainda tem para as nossas vidas.

Hoje ensinam-nos na escola, e no educador-mor, a televisão, uma coisa do estilo "antes do 25 não se podia falar, reunir ou associar e agora pode-se, graças aos militares que estavam descontentes com a guerra colonial que fizeram um golpe miltar e, por acaso, as pessoas saíram também à rua".

Não podia ser mais redutor.

Não nos podemos esquecer do que foram os 48 anos de fascismo em Portugal. Pela pobreza extrema, pelo analfabetismo, pelas perseguições políticas, pela tortura e muitas vezes a morte a quem defendia tão-só a liberdade e lutava por ela.

Limitar as conquistas de Abril ao direito de associação, reunião e expressão é dar uma visão distorcida da realidade. Não podemos, por uma questão de tempo (e já agora de espaço) enumerar todas estas conquistas, mas não podemos falar de Abril sem referir o direito a férias pagas, o salário mínimo nacional, o fim dos latinfúndios (a terra a quem a trabalha!) e dos monopólios, as nacionalizações, a massificação da cultura, do ensino, da saúde....

( e em 2006 os latifúndios aí estão, empresas do estado as que ainda não foram privatizadas estão na lista, os senhores do antigamente são os de agora, saúde, ensino e cultura são para quem os possa pagar, o salário mínimo é de facto, mínimo......)


Por último, o dia 25 de Abril surgiu de facto pela mão dos militares. Mas não podemos nunca pensar que foi um acto isolado do resto da luta dos trabalhadores e da população por melhores condições de vida e contra o fascismo. De facto, toda a luta desenvolvida, desde as grandes greves das 8 horas, às lutas sectoriais, às comemorações do 1º de Maio, em que naturalmente destacamos o papel dos comunistas pelo seu papel na organização e direcção dos trabalhadores, forma essenciais para a materialização do descontentamento polpular num dia- o 25 de Abril.

Por isso estivemos na rua . Para lembrar o 25 de Abril. Para desmistificar ideias erradas. Mas sobretudo para defender o que foi conquistado com a Revolução

2 comments:

pedras contra canhões said...

obrigado, mamute.
pelo contributo, pela atempada correcção da imperdoável lacuna.
Abril Vive, cerceado e atacado, mas verá seus cravos de novo florir.

um grande abraço

pedras contra canhões said...

só outra coisa:
além de a participação popular em massa no dia 25 de Abril ter sido reflexo de um movimento que era bastante mais vasto que o movimento militar; essa participação, encorajada pelos comunistas e contrariando as ordens de muitos que apelavam a ficar em casa, foi determinante para transformar um golpe de estado numa revolução política.

o 25 de abril foi o que foi, não pelo golpe, mas pela força que o povo fez.