Friday, May 31, 2013

processo revolucionário

"Lenine elaborou a teoria do desenvolvimento contínuo do processo revolucionário, da transformação da revolução democrático-burguesa em revolução socialista, sob condição de que a classe operária tivesse um papel hegemónico na própria revolução democrática-burguesa."

in Radicalismo Pequeno-Burguês de Fachada Socialista, Álvaro Cunhal, 1971
relembrado via leitura capital

5 comments:

José Braz said...

Proletariado ... o conceito correto é Proletariado ... o operariado só conjunturalmente representou a totalidade do proletariado.
O conceito de proletariado, pelo contrário, é estrutural e bem mais abrangente:
1. Moderna Classe Trabalhadora. Por moderna entenda-se: a mais actual em cada momento, por trabalhadora entenda-se produtora (em 1800) de bens (actualmente: e Serviços? E Ideias? E Invenções? E Patentes? Eis um campo em que o PCP podia bem "gastar" um congresso a discutir!).
2. Dentro da Moderna Classe Trabalhadora apenas os assalariados, aqueles que não têm nada a perder, ou nas palavra do filósofo teórico: os que só podem perder as suas correntes.
3. Os que dentro destes trabalham num meio socializante (em 1800 era uma fábrica ... actualmente estou aqui a "ensinar-lhe" Marxismo-Leninismo num blog de que tive conhecimento numa rede social... e mais um congressozinho para o assunto em questão ...
4. E finalmente: dentre esses apenas os que têm consciência do seu estatuto de explorados (esbulhados de uma parte do seu trabalho!), leia-se os que conseguem perceber que o Capital lhes paga a Força de Trabalho com que produzem bens (e serviços!) e que entre o que o Capital lhes paga e o que produzem está a mais valia por eles socialmente criada e privadamente apropriada ... pelo Capital.

José Braz said...


E sim, estou aqui a gastar o meu latim porque se não conhecerem as categorias marxistas usadas nos modelos marxistas não podem sequer procurar/definir os vossos aliados e inimigos no contexto da luta de classes de uma forma pragmaticamente Leninista e remetem-se para um estatuto de Partido dos Pobrezinhos em que estão cada vez mais en-guetados. Pergunto-me tão somente se ainda há por aí alguém a aprender Marxismo-Leninismo ou se já só ficaram os que debitam frases mais ou menos á-lá-marxismo-leninismo que ficam bem aqui e toca de voluntarizadoramente seguir em frente sem peceber que ou recuperam o estatuto de Partido do Proletariado (Marxista-Leninista) e deitam fora os voluntarismos estalinistas que nos levaram ao estado atual ou deixam de me servir para o que quer que seja e sou eu que vos tenho de mandar às malvas.

José Braz said...

E sim, porque se não souberem definir os vossos aliados e inimigos em cada momento acabam a votar ao lado do pafismo contra a proibição de um produto cancerigeno produzido por um alto representante dos vossos inimigos de classe. Só porque conjunturalmente se enganaram a definir "O Inimigo" e voluntaristicamente embirraram com a esquerda caviar.

Ou então sou eu que estou muito enganadinho e o motivo para um tão grande pontapé na gramática é muito pior. Mas nem quero acreditar na "outra possível explicação", seria mau de mais para ser verdade, agora que têm de me explicar muito bem, como seu fosse muito estúpido porque é que não votaram a favor da proibição do roundup da Monsanto lá isso têm ou não voltam a ver meu voto tão depressa.

E sim, o que é que a diferença entre "Classe Operária" e "Proletariado" numa frase tem a ver com o roundup? Se não perceberam é porque a coisa anda mesmo mal!

Miguel Tiago said...

Curioso que estudos tanto sobre a composição do proletariado e saibas o marxismo leninismo de cor e não tenhas tido o cuidado de ler sequer o que foi votado sobre o glifosato.

Pois bem, vou armar-me em educador e tentar explicar: a semana passada o pcp aprovou a proibição gradual do glifosato porque é preciso tomar medidas para a sua substituição. Actualmente, para muitas utilizações e fins, o glifosato é o único produto existente. Acresce que muitos agricultores estão dependentes deste produto. O be, não contente com a proibição gradual, agendou um potestativo para propor a proibição imediata com o objectivo único de aproveitar a posição do pcp e para criar estas notícias. O pcp apresentou um projecto para criar mecanismos de fiscalização da utilização de fitofarmacos e que crie alternativas. Dizer que o pcp está a defender a Monsanto é tão estúpido como dizer que o BE está a defender a Bayer que está neste momento a investir para acabar com o roundup para desvalorizar a Monsanto que, curiosamente, está a ser adquirida pela Bayer.

Miguel Tiago said...

Curioso que estudos tanto sobre a composição do proletariado e saibas o marxismo leninismo de cor e não tenhas tido o cuidado de ler sequer o que foi votado sobre o glifosato.

Pois bem, vou armar-me em educador e tentar explicar: a semana passada o pcp aprovou a proibição gradual do glifosato porque é preciso tomar medidas para a sua substituição. Actualmente, para muitas utilizações e fins, o glifosato é o único produto existente. Acresce que muitos agricultores estão dependentes deste produto. O be, não contente com a proibição gradual, agendou um potestativo para propor a proibição imediata com o objectivo único de aproveitar a posição do pcp e para criar estas notícias. O pcp apresentou um projecto para criar mecanismos de fiscalização da utilização de fitofarmacos e que crie alternativas. Dizer que o pcp está a defender a Monsanto é tão estúpido como dizer que o BE está a defender a Bayer que está neste momento a investir para acabar com o roundup para desvalorizar a Monsanto que, curiosamente, está a ser adquirida pela Bayer.