Thursday, March 13, 2008

Porque uns escondem

Nós por cá damos a conhecer o trabalho dos comunistas no que toca a uma intervenção que uns tentam esconder. Tentam esconder porque interesses gigantes se movem por detrás dos organismos geneticamente modificados à venda e disponíveis para consumo e tentam esconder porque mais grave ainda que protestar contra a forma como estas multinacionais vão ganhando terreno sobre a nossa agricultura, é o facto de ser o PCP a fazê-lo.

A syngenta, a monsanto, a pioneer e outras empresas da agro e biotecnologia são conhecidas de todos pelo seu passado negro. Certamente ninguém esquece as tropelias da monsanto no que toca à hormona do crescimento para bovinos ou a tentativa de generalização de uso de pesticidas neonicotinóides classificados posteriormente como perigosos. São essas empresas que no passado nos impuseram o DDT, a hormona do crescimento, outros pesticidas de elevados riscos para a saúde que hoje vão a pouco e pouco ganhando o controlo sobre a agricultura portuguesa. Assim controlando a produção e condicionando seriamente a nossa soberania alimentar. São essas empresas que no passado deram mostras de completa ausência de limitações à sede do lucro, que actualmente promovem campanhas anti-sindicais e declaram guerra social aos seus trabalhadores, que tentam agora mascarar-se de motores do desenvolvimento e do combate à fome, à miséria e à pobreza. Aliás, assumem-se mesmo como salvadores de um globo doente, alterando o padrão genético das espécies, introduzindo genes de bactérias em batatas, "de gafanhotos em tomates", "de vermes em abacates" e por aí fora.

Curiosamente, sempre que o Bloco de Esquerda manda uns ares de sua graça sobre transgénicos, estremecem os mundos da imprensa e lá vai o louçã e a bonequinha drago às tv's e aos jornais. Também curiosamente, o Bloco nunca teve sequer o trabalho de produzir propostas nesta área. Foi sempre o PCP quem tomou a dianteira na Assembleia da República, trazendo os decretos-leis a apreciação parlamentar e propondo a cessação das vigências. O BE limitou-se a apresentar uma moratória. Mas toda a gente soube.

Pois bem. Para quem por aqui passar, pelo menos, fica a nota de que o PCP apresentou, além da sua persistente denúncia e combate à acção do Governo e à sua submissão aos interesses do grande capital dos agro-negócios, um Projecto de Lei que proíbe o cultivo de Organismos Geneticamente Modificados em todo o território nacional, abrindo apenas excepções para investigação científica e fins medicinais. No entanto, mesmo para esses efeitos, o diploma do PCP apenas permite o cultivo em ambientes controlados que garantam a não contaminação dos ecossistemas exteriores.

Para os interessados, o Projecto do PCP encontra-se aqui: http://www3.parlamento.pt/PLC/Iniciativa.aspx?ID_Ini=33746

3 comments:

zapedmamma said...

falando em ddt e nitratos e ogm's e tal e coise... que tal um projecto lei que regulasse o (ab)uso de expressões como "agricultura biológica"(theres's no such thing as...), hum?

pedras contra canhões said...

a bem da verdade, espero, que toda a agricultura seja biológica. não vá a gente andar a comer frutos de agricultura geológica ou mesmo filosófica. mas, sim, compreendo. No entanto, a agricultura que permite a regeneração do solo antes de aplicar a próxima campanha é minimamente mais equilibrada. O conceito associado a "agricultura biológica", no entanto, é profundamente desviado do que deveria ser um conceito de "agricultura ecológica" que é muito mais antigo do que se pensa, porque é praticado no âmbito da agricultura familiar e de susbsistência em Portugal há milénios. "Agricultura Biológica" como eles agora dizem é apenas um rótulo bonito para tu pagares o triplo por uma couve feita por uma multinacional que utilizou pesticidas biodegradáveis e que, portanto, não está a fazer mais do que a sua obrigação. Nenhuma agricultura intensiva e com pesado uso do solo e de produtos fertilizantes e pesticidas pode ser chamada de "sustentável". mas eu também não percebo muito dessas coisas, só sei que a Agricultura tradicional portuguesa perde com esta política de cedência e sei que OGM não rima com Biológico.

Já com escatológico, por exemplo, rima na perfeição.

zapedmamma said...

efectivamente. e mais...pagares mais sob a falsa ideia de que estás a consumir(porque pagas mais,(in)justamente), um produto agraciado pela "inocuidade", livre de "bichos papões" e 'inda por cima "amigo do ambiente", da "sustentabilidade". quando, como sabemos, o ciclo da água trabalha a favor da persistência destes compostos no meio (e nos nossos corpos, que eles adoram os tecidos adiposos, os grandes malandros!), fazendo com que a poluição(não tanto pela toxicidade mas pela persistência) que causam se perpetue pelo tempo e (pelo espaço) - o nosso tempo e espaço de consumidores.
essa ideia enganosa, transmitida pelo marketing publicitário dos "produtores de agricultura biológica" é que devia ser regulamentada.